2013. O “Mar das Tormentas”!….

0
1148
Luís Barreira
Luís Barreira

O Natal de 2012 já passou! Mal ou menos mal, a maioria dos portugueses celebrou a sua festa preferida, a festa da família.
Entre dentes ficou a raiva mal contida de não poderem corresponder, em presentes, a todas as solicitações das suas crianças e, de alguma maneira, às expectativas dos seus familiares e amigos mais próximos.
Foi o Natal das “lojas dos trezentos”, actualmente bem representadas no nosso comércio, pelos novos “mandarins” do baixo preço, que proporcionaram prendas a custo reduzido, para enfeitar os sapatinhos na noite da consoada.
Felizmente que, para a esmagadora maioria do nosso povo, a ceia de Natal é um prato tradicional que ainda vai tendo um preço acessível. Se o bacalhau não é de primeira escolha, não deixa de ser bacalhau e, as couves e as batatas, ainda se plantam no quintal.
Aproximamo-nos agora (e ainda vivos…) do fim do ano, depois de algumas consciências perversas nos terem anunciado o “fim do mundo”, para o passado dia 21 de Dezembro.
Como os portugueses estão cada vez menos crentes nas promessas que lhes são feitas, só de uma única certeza estão conscientes: o final do ano não será festejado como a passagem do “cabo da Boa Esperança”, mas como a entrada no “Mar das Tormentas”, onde só se salvarão os que sabem “nadar em dinheiro”, ou os que possuem uma boa “tábua de salvação”!….
Tendo em consideração que o governo se mantém fiel à sua austera política e que o aumento dos impostos este ano, em vez de aumentar as receitas do Estado, as diminuiu em quase 6´%, relativamente a Novembro do ano passado, deixando as previsões governamentais a “abanar” com o cumprimento das metas orçamentais, o que nos espera em 2013 ainda é pior do que estava inicialmente orçamentado.
Se a nossa “troika” (Cavaco Silva, Passos Coelho e Vitor Gaspar) não se render perante a evidência do fracasso desta política, que assumiram como sua, 2013 vai ter como sumário: “continuação da lição anterior”, com medidas agravadas a que já alguns chamam de “excepcionais” (mas que duram sempre…), acompanhadas de discursos “justicialistas” (em que ninguém já acredita…) e uma eventual promessa de que, “em 2030…”, os portugueses terão alcançado o déficite de 3%, ou seja, o “paraíso”!???…
Como a população está envelhecida, os mais idosos já não estarão cá, para provar o que o Governo prometerá e os mais novos, emigrados, estar-se-ão nas “tintas” para o que se passa em Portugal! Ficarão por cá, apreciando ou criticando os executivos, as juventudes partidárias (os jotinhas…), que têm emprego assegurado em cada legislatura, em conformidade com o seu desempenho, ou seja, mantendo ou derrotando governos.
O futuro só não será uma catástrofe se, no seio dos partidos ou fora deles, surgirem Homens e Mulheres, dignos representantes dos interesses deste sacrificado povo, capazes de realizarem uma correcta leitura das nossas potencialidades e necessidades, no espaço geopolítico a que estamos inevitavelmente associados assumindo, com discernimento e coragem, todos os desafios do presente e do futuro próximo.
Se a fome não é normalmente boa conselheira, esperemos que, pelo menos, ela faça “luz” sobre algumas consciências adormecidas, que sabemos existirem, despertando-as para uma actividade humilde e generosa, que deve sempre constituir-se como o padrão moral da atitude política, em contraste com a malfadada arrogância e oportunismo pessoal ou partidário, que se apoderou de uma parte substancial da comunidade política portuguesa.
Face às ciscunstâncias que vivemos e às que se avizinham, o meus melhores votos para 2013, não são os da tradicional esperança gratuita, que sabemos impossível de realizar, dentro do actual quadro político em que nos encontramos.
A minhas esperanças,…não vão no sentido de um regresso ao passado, que tanto atraso e insatisfação física e intelectual nos causou. Elas encerram o desejo de um “toque a rebate” em todos os sininhos das nossas capacidades, para colocar Portugal na rota dos nossos desejos colectivos, rompendo com o bastardo marasmo do presente e a falta de perspectivas de futuro, em que nos encontramos hoje.

Para todos vós,…que os “sininhos” vos acompanhem em 2013!

 

Luis Barreira

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here